terça-feira, maio 20, 2008

Os Alquimistas



Desde sempre sonhei em realizar grandes feitos. Mesmo sem saber o que estes grandes feitos seriam, ou em que área, ou como.
Constantemente naquele misto de expectativa/intuição de que algo muito maior e melhor estaria por vir.
Não está destinado a todos descobrir a cura da Aids, fazer um excepcional trabalho humanitário através da Organização das Nações Unidas, produzir incomparáveis obras de arte ou mesmo motivar milhares de pessoas a buscar maior qualidade em suas vidas. Mas ainda acredito nos grandes feitos predestinados, para todos.


Quem sabe onde as nossas escolhas irão nos levar e de onde irão nos trazer? Creio que os grandes realizadores, os que deixam suas vidas marcadas na História, muito possivelmente estavam apenas sendo eles mesmos em seu trabalho e em seu dia-a-dia, quando a semente de algo que vinha sendo cultivado brotou muito expressivamente e ficou. E o que identifica um "grande feito" é o seu alcance. Aquele que vai positivamente em direção a muitas outras vidas e, nelas, opera algo de bom.

Se tornou perceptível para mim, claramente, que é muito possível (e provável) também que todas as pessoas, de alguma forma, realizem os seus grandes feitos particulares. Aparentemente, em menor escala. O alcance talvez seja outro. Mas o lema "pense globalmente, aja localmente", eternizado pelo Green Peace aponta a viabilidade deste caminho tão válido. De verdade, é impossível medir o alcance de uma atitude, de uma palavra, de um gesto. E estes sempre ecoam. Para além de nós, de maneiras que talvez nós nem venhamos a saber.


Se tornou perceptível também que há tipos e tipos de feitos. Feitos para os quais não seja preciso sequer se deslocar. Em casa, entre amigos, no trabalho. Uma palavra na hora certa que é capaz dar novo ânimo à vida de alguém. Um exemplo que vem como lição para um amigo ou colega ao lado. Um abraço sincero no momento exato, que deixa claro que o outro não estará sozinho.


Momentos cruciais que acontecem todo dia. Encruzilhadas cotidianas que definem se escolheremos o caminho da esquerda, o caminho da direita, o retorno, o não-caminhar. E com estas definições se faz uma vida.
Com estes laços, se amarra a maior de todas as conquistas, a conquista de ter feito diferença, em algum momento, para alguém.


É um tipo de poder individual responsável por muitas das escolhas acertadas do nosso semelhante. Um passo simples para uma alquimia coletiva gerando pessoas maiores.
___

4 comentários:

Anônimo disse...

Eu poderia ter escrito isso. Tenho um pensamento muito parecido com o seu nesse sentido e no meu caso só falta a competência para esrcrever do jeito que você escreve, rs.
Um abraço enorme pra tu, lindona!!!

carlos disse...

Só uma observação: o comentário abaixo é meu, rs

Lu Dias disse...

Muito lindo! 'Feito com amor'!
Pensamentos assim só enriquecem!
Bjão!!

Ricardo disse...

Bia, lindo o texto!!!
Cada vez que entro por aqui fico maravilhado com o que leio e sinto!
Sou seu fã! rs...
Beijão!